domingo, 10 de setembro de 2017

Permita-se Aprender



Permita-se aprender venho falar sobre termos a abertura de aprendermos mais sobre nós através de novas experiências. Quando falo de novas experiências, refiro-me não só daquelas que você quer mas também daquelas que você não quer necessariamente passar. Aquela experiência que você acha que não é muito bom em, experimente, experimente e aprenda o que você é, desde que não perigue e não destrua a sua vida ou a vida de outros,

Toda a nossa vida desde de que nascemos é tudo é uma aprendizado sobre nós. Aprendemos instintivamente certas habilidade de modo a podermos evoluir. O nosso aprendizado instintivo está normalmente voltado ao desenvolvimento psico-motor para o nível de sobrevivência. Assim que o indivíduo se estabelece também se estabelece os limites de abertura do seu aprendizado.

Quando falo em permita-se aprender, quero dizer que, você nunca vai descobrir que corre rápido se nunca lhe aparecer o motivo para o fazer correr com tanta rapidez. O motivo para que tenha que correr tão rápido pode ser diverso, pode ser perseguido por um cão e o medo o fazer correr muito rápido. No entanto, após essa experiência, a maior parte de nós ficará preso pelo trauma do medo de poder ter sido mordido, mas não vai reparar no quão rápido foi capaz de correr.

Certa vez um professor disse-me: - Todos nós devíamos aprender a defender causas das quais não acreditamos.

Nem tudo que vivemos e fazemos é porque planeamos que assim seria, ou de antemão sabíamos o que seria. Na maioria das vezes o que acontece é que vamos aprendendo e adaptando, umas vezes mais rápido e outras mais lentamente a nova realidade.

O permitir-se aprender é estar aberto mesmo ao que não se acredita ou se gosta. É dar a possibilidade de aprender sobre si mesmo  tudo o que É e o que NÃO É, mas ainda assim  estar dentro dos limites que sente que deve estar.

Muitas almas velhas como a minha, não pertencentes a este mundo, vêm a vida na terra de forma caricata e de certo modo não se identificam muito com o modo de vida. Muitas destas se recolhem num canto, segregando de si mesmos pois estão num contexto que não lhe permite conhecerem o seu verdadeiro EU. Se não houver a abertura de aprender, se não se soltar os pré-conceitos não se irá descobrir o outro EU que em nenhuma outra circunstância seria possível desabrochar.

Você só descobre se pode será um bom pai/mãe se tiver filhos, marido/esposa se casar, não obstante quão subjectivo o ser bom possa parecer.

Não sabe dançar, tem 2 pés esquerdos? Vai por teimosia aprender, mas não o faça já assumindo que não é capaz, pois assim estará fechado para nova experiência.

O permitir-se aprender o irá fazer descobrir capacidades novas, como estive numa fase da minha vida, onde não obstante a dor forte de um relacionamento terminado mantinha ainda o foco nos objectivos. Descobrir que era capaz de apaixonar-me e chorar por alguém, ser traído, ser amante, perder alguém, entre outras experiências mais caricatas da minha vida. Tudo isso ajudou-me a conhecer melhor as minhas capacidades.

Este mesmo espaço, este blog começou simplesmente para permitir adormecer em algumas noites difíceis, onde a cabeça não parava de ter ideias e pensar, nunca pensei que chegaria ao ponto de ter tantos textos. Já me foi dito que deveria escrever um livro. Bem, talvez seja algo que me deve permitir aprender. ☺☺☺☺


domingo, 20 de agosto de 2017

Os empurrões e quedas da vida


Quantas vezes teve aquelas quedas na vida, acontecimentos que causaram grandes abalos na sua vida? Separações, paixonetas proibidas, amor não correspondido, despedimento, falências, depressões, basicamente estar na merda. Esses são os empurrões da vida.

Os empurrões na vida aparecem muitas vezes para nos fazer despertar para nós mesmo. No nosso dia-à-dia vivemos somente ao nível físico e não prestamos muitas vezes atenção as questões energéticas nem espirituais. Todos nós temos guias que nos acompanham e que muitas vezes tentam comunicar connosco. Podemos olhar aos guias seres que estão no plano astral e que nos protegem e comunicam muitas vezes nos sonhos. Muitas vezes são familiares próximos já falecidos. É comum quando temos algum problema no plano físico e não conseguimos resolver neste plano e acabamos por o resolver no plano astral.

Na nossa vida diária a correria é tanta que não prestamos atenção aos sinais, muito menos ouvimos as vozes dos nosso guias e a nossa sabedoria divina. Muitos vivem tão rodeados de pessoas que não conseguem ouvir a si mesmo. Quando estamos neste nível de vivência é quando...SHIT HAPPENS.... é um termo científico.

WHEN SHIT HAPPENS... Quando muitas destas coisas acontecem, na realidade são manobras feitas para que possamos parar, mudar, aprender, escutar para evoluir. Normalmente acontece para nos fazer sair da zona de conforto e ir abrirmos a mente e o coração para o caminho que a nossa alma veio para percorrer.

Já viu alguém que quando a vida está boa pára para ouvir? Só quando recebem um bom embate, um bom susto é que procuram o lado espiritual, até igreja vão.

Naturalmente com o embate normalmente prendemo-nos na dor, perda, na morte associada à mudança e não no novo nascimento ou nas novas oportunidades que se abriram. É um factor Humano olhar para a perda pois o nosso cérebro está assim programado.

Estas mudanças forçadas são resultado do que viemos aprender nesta encarnação para que a alma encarnada evolua. Como muitas vezes a pessoa se desvia, os guias usam estratagemas para nos confrontarmos connosco. 

É preciso perceber que ao nível astral, muito do que achamos certo ou errado é uma mera perspectiva social do plano físico. No plano astral o mal que você vê no plano físico não é nada mais do que a alma da "vítima" que veio para passar por aquilo de modo a puder evoluir e do "agressor" veio experimentar a agressão. Muitas vezes são questões kârmicas que ambos vieram resolver. Não obstante isso tudo nos causar dor e consternação, tudo está relacionado com o nível de evolução da alma encarnada.

Tendo em conta o parágrafo anterior os embates que sofremos nas nossas vidas, muitas vezes são para nos ajudar a encontrar a nós mesmos, mais do que a causa em si do problema. Muitos de nós precisamos de beijar muitos sapos antes de encontrar o príncipe encantado, enquanto outros simplesmente encontraram o príncipe sem que nunca tenham beijado um sapo.

Muitas vezes a demanda que temos até encontrar o amor passa por tantas vicissitudes até que ele finalmente chega. Se fizer uma retrospectiva, verá que muito provavelmente o estado mental das experiências passadas dão muitas vezes a maturidade para perceber as experiências actuais.

Os empurrões e quedas nem sempre não negativos. Podem também ser de forma positiva em que abalam a nossa zona de conforto. Coisas como apaixonar-se, novos desafios empresariais,  ganhar na loteria etc. 

Resumindo, tente aprender mais sobre si a próxima vez que tiver novos abalos na sua vida, são oportunidades de evolução e de aprendizado. Se for algo negativo não se prenda na dor, no medo, no trauma. Evolua e tente perceber o que é que se quer que aprenda ou preste atenção. O que está a tirar do centro daquilo que você realmente é.

sábado, 12 de agosto de 2017

Amor Eterno. Algumas perguntas sobre o amor.

É o Amor estático?

A nossa sociedade está muito focada na constituição de uma família. Está focada no amor e posterior casamento de entre duas pessoas assumindo que estas se amarão para o resto de suas vidas.  Não gosto muito da expressão do resto da vida, porque parece que acabou  a partir do casamento. Acho que deveríamos chamar a construção de uma nova vida.

Ao longo da vida pós-casamento, o amor permanece estático, evolui, ou regride?

Quantas vezes ao longo de um "Amor Eterno" alguém não se apaixona por outro?

É o Amor Mutuamente Exclusivo?

Só se poderá amar uma pessoa de cada vez? Que condicionante se impõe para que não se possa amar mais do que uma pessoa?

A partilha do amor entre duas pessoas está muito associado à forma como elas partilham. A diferentes combinações de indivíduos pode proporcionar diferentes recompensas amorosas. Não será isso uma amostra que se pode gostar de mais do que uma pessoa pela recompensa afectiva que ela nos proporciona?

O Amor tem que ser Eterno?

Não necessariamente mas pobre daquele que ama sem pensar que é eterno. Deve acreditar que ele é eterno se este estiver directamente associado a nossa felicidade. Mas quando termina este se transformar noutro estado amoroso.

Ele pode até não ser eterno, mas os seus momento sempre o serão pois estas memórias se manterão dentro até a sua morte.

Amor. Do we really need it? Why?

YEAAAAAAAAAH! Faz tudo mais bonito, mais vivo, mais alegre e mais luzidio. Faz-te sorrir sem precisar de motivo, faz-te leve.

Amor. It hurts?

ALOT! Amor também tem a sua componente de dor que não está sempre associada ao término de uma relação, mas sim muitas vezes como estamos na relação. Esta dor muitas vezes é a dor da ansiedade, da vontade de se querer mais e mais.

Amor te fará chora algumas vezes. Chorar sem controlo onde as lágrimas simplesmente irão escorrer como se de um rio se tratasse. Mas vale sempre a pensa a experiência.

Amor, dá-se?

Não. Partilha-se. Amor é algo que deve ser partilhado.

Amor deve ser dependente?

Nem de brincadeira. A partir do momento que se torna dependente não está a partilhar ao amor. As dependências amorosas estão mais associadas a outro factores do que ao amor. Auto-estima é um dos factores principais.

Amor quando sentir?

Sempre que puder, nem que seja para sentir peito quente e o fazer triste, mesmo que não seja correspondido/a sinta-o sempre que puder. Viva-o quando puder e o tempo que puder com a intensidade que puder. AME.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Aceitação do Outro


Até que ponto aceitamos o outro nas nossas diferenças e igualdades.

Tudo que se estabelece como se tratando de relações humanas possui a componente de aceitação do outro de modo a que se possa tirar partido de ambos lados de todas sinestesias partilhadas por cada um. No entanto, quando a relação se torna mais íntima muito do que anteriormente estava estabelecido muda drasticamente.

Como aceitamos o outro quando muitas vezes sequer aceitamos a nós mesmos?

A aceitação do outro pressupõe também a evolução ao mesmo nível. À medida que vamos crescendo e amadurecendo,  a nossa forma de pensar, sentir e avaliar as coisas vai se moldando. A maleabilidade da nossa consciência recebe a forma do que aprendemos das experiências de vida que vamos tendo ou do que queremos dar a ela. Assim sendo, à  medida que vamos crescendo pessoas, amizades, relações está relacionado também com o nosso próprio padrão de pensamento.

Qual seria a sua capacidade de aceitar que o seu conjugue sobre de défice de atenção e precisa dela e doses fora do comum? 

Qual seria capacidade de aceitar que o seu conjugue não precisa de atenção?

Como se sentiria se ele não desse tanta importância  muita coisa que você dá?

Até que ponto precisamos nós de ter semelhanças, gostos e entre outras coisas em comum para amar alguém?

Será possível amar na diferença?

Muitas vezes temos amizades que são completamente opostas a nós e ainda assim conseguimos partilhar dentro das nossas diferenças. Outras vezes temos aquela amizade  que até muito partilhamos mas existe algo que nos afasta.

O maior exercício de aceitação é o casamento. O casamento entre duas pessoas que assumem o compromisso de partilharem a vida em comum baseado no conhecimento que se tem um do outro e de nós mesmo naquele momento. Quando este perdura até ao fim do seu tempo é o maior exercício de aceitação já visto, porque ficar com alguém por anos, ou alguém ficar connosco por anos, significa que ao longo do tempo ambos foram aceitando um ao outro e a si próprio.

Certa vez alguém disse-me que éramos dois porcos-espinho que tentavam dormir um encostado ao outro, mas que para tal era necessário ajustarmos cada um os nossos espinhos de modo a não ferir o outro.

Até que ponto conseguimos de facto aceitar os outros?

domingo, 16 de julho de 2017

Lembrança do ser Criança


A importância de nos lembrarmos do ser criança sermos felizes e fazermos uma feliz.

A medida que crescemos, quando atingimos a idade adulta, são poucos que conservam o seu lado criança, o seu lado infantil. O que pretendo falar é um pouco de como tem um grande impacto de nos lembrarmos como éramos crianças, principalmente para quem está a educar.

Acredito eu que neste sentido a tarefa é mais fácil para as mulheres por causa da sensibilidade mais desenvolvida ou apurada. No entanto, o lembrar o que faz uma criança sorrir, como pensa, faz com que consiga ter uma melhor aproximação e relação tanto com a criança como consigo mesmo. Como já referi num texto passado, criança feliz é adulto feliz.

A lembrança de quando éramos criança tem particular atenção para a fase de puberdade  pois é a fase mais complexa, pois é a fase do aprendizado do EU.

A pouco tempo  depois de voltar de viagem trouxe uns presentes para o filho do meu sócio  e vi a alegria do rapaz por causa do presente. Isso fez-me recordar da sensação  quando sabia que alguma tinha estava para voltar de uma viagem.  Foi acto que não é necessariamente recorrente, mas que após ter visto o resultado da alegria e sorriso daquela criança fez-me pensar que deveria proporcionar mais esta emoção a outras crianças próximas. Quando o rapaz me cumprimenta agora, o vigor em suas palavras carrega mais emoção, mais importância, mais AMOR.

Isso também fez lembrar do João Carlos o jovem de 13 anos na época, que tinha fugido de casa e que tive que conversar com ele fazendo-lhe ver outro ponto de vista.

O que tento partilhar é que a tua experiência infantil é uma ferramenta para lidares melhor com outras crianças. Fazê-las sorrir, brincar, sentir feliz, só conseguimos quando também nos lembrarmos o que nos fez sentir estas sinestesias quando tínhamos a mesma idade.  

quinta-feira, 25 de maio de 2017

A necessidade de aprovação, do agradar e do Elogio


Todos nós temos um certo grau de aceitação dos outros e elogios é sempre bom de se ouvir. No entanto, como tudo, não devemos necessitar dele.

Existem pessoas que precisam muito da aprovação dos outros para aceitar as suas próprias vitórias. Precisam do elogio, cumprimento e quase uma plateia para  atestar que o que está feito está bom. Este é um problema comum da falta de confiança em si próprio.

É preciso ter em conta que qualquer pessoa que nos dá uma opinião, está carrega, emoções, experiências, medos e nível de conhecimento de quem a dá. E a visão dela pode não ser a que partilha.

Este problema muitas vezes está personalizado, ou seja, existe aquela pessoa que tanto queremos agradar, aquela pessoa de quem esperamos sempre uma atenção, que se orgulhe de nós e para qual nada nos parece suficiente. DEITA FORA ISSO!!!

Normalmente quando a necessidade de aprovação e elogio está personalizada, também tem muito a ver com o sentimento de não ser o suficiente, nunca chegar, não agradar o suficiente. Este sentimento é particularmente mais vincado na mulher do que nos homens e está muitas vezes associada a infância e a uma figura paternal ou maternal.

Esta necessidade se não estiver equilibrada fará com necessite sempre de opiniões de terceiros para tomar decisões ao contrário de ver com os próprio olhos. Fará com que nunca será capaz de apreciar algum feito seu sem que tenha aprovação do outro. Fará também que muitas vezes estará tão entusiasmada/o com alguma realização e quando for contar ou apresentar não receba o mesmo entusiasmo de terceiros. Isso fará sentir-se triste, em baixo e desmotivada/o, de baixa auto-estima, não porque o trabalho não vale, mas sim porque nem sempre os outros têm a sensibilidade para perceber o que foi feito. Não se pode falar de cores a cegos.

A necessidade de agradar, está directamente associado ao medo. Medo da perda nas relações, medo do confronto, falha de comunicação e muitas vezes apatia (IDFC - I Don't Fucking Care).

A necessidade de agradar, principalmente quando este acto te causa dor é falta de amor próprio. Tudo na medida, certa, devemos agradar os outros na medida que nos possa também agradar. É importante dar, mas também é muito importante sabermos receber.

Para evoluir recomendo os seguintes exercícios:
  1. Aguente o máximo de tempo sem contar a ninguém algum feito de que se orgulhe.
  2. Sempre que fizer algo que acham bom, escreva uma frase de motivação. Por exemplo, eu usava a frase "TU ÉS UM GÉNIO".
  3. Se existe alguém que o pressiona sinta a necessidade que se orgulhe de si, deve primeiro deixar de alimenta-lo com o que conquista. O que pretendo dizer é não deve ir a correr dizer a sua nova conquista, deixa que ele oiça por outros.
  4. Elogie a si mesmo e fique satisfeito somente com o seu elogio. Não funcionou?? Repita, vezes em conta. Faça o seu cérebro ouvir a sua voz.
  5. Não se preocupe em afirmar que é boa/bom em algo. Ser convencido é alguém que se acha melhor que os outros. Afirmar que é bom em algo é ser confiante que é totalmente diferente.
  6. Diminua o agradar ou diga que de momento não pode satisfazer. Paulatinamente vai educando o seu cérebro a não sentir-se culpado quando nega algo. Lembra que o conceito de boa pessoa é totalmente sujectivo e falso.
  7. Permita que lhe agradem também. Aprenda a ser agradado/a. Muitas vezes você agrada tanto o outro que não dá espaço para ele fazer por si também. Permitaaaaa.
  8. Reine na sua vida. O que quer dizer que que deve ser Rei/Rainha na sua vida, e não  um servo dela.
  9. Se existe destino pelo menos 50% é seu, porque você é que faz a escolha, logo use-o à 100%.
  10. Por algum tempo pratique o DGF (Don't Give a Fuck) para opiniões que o levam para baixo.

domingo, 23 de abril de 2017

Aprender o Estado de Permissão


Actualmente a nossa sociedade educa-nos com o conceito de que devemos trabalhar arduamente para atingir abundância. Esta forma de pensar está enraizada principalmente na geração dos anos 50, cujo percurso de vida ensinado foi de estudar para arranjar emprego.


Por causa da nossa educação, esta formatação de pensamento, faz-nos ter uma postura para os desafios, a conquista da abundância como um percurso que tem que ser necessariamente penoso até se poder atingir os objectivos. Também esta geração foi-lhe incutido que nada é de graça, e que não merecem se não se esforçaram muito. Por este motivo muitas pessoas, vindouras da educação ministrada, têm dificuldade em receber.

Aprender a estar no estado de Permissão é aprender a Merecer. Merecer do bom e do melhor oferecido pelo Universo. Não significa que pessoa pratique a inacção, mas sim que ela estará focada tanto no esforço físico como no esforço energético/espiritual.

Estar no estado de Permissão significa a aceitação de receber. Muitas pessoas não permitem que lhes seja ajudado, oferecido sem que seja pela crença que de desempenhou um grande esforço para lá chegar.

Sua Crença = Sua Vida.

Se acreditar que devem existir obstáculos para atingir a sua metas, estes então existirão. No estado de Merecer, não obstante os obstáculos poderem existir, a crença é que merece o melhor, logo merece que o obstáculo seja de alguma forma ultrapassado ou eliminado.

Deve aceitar que merece receber e continuar a trabalhar mas não de forma obsessiva, de modo a permitir a manifestação da vibração de permissão e eliminar os bloqueios que muitas vezes existem no subconsciente.

Esqueça sacrifício, esqueça luta e abraça o AMOR, manifestando-o no universo, impregnando-o no seu trabalho de modo a proporcionar o feedback universal na mesma vibração energética.

Se é dado e é bom, receba.

Esqueça o conceito de que não merece. Você merece tudo que você manifestar no ambiente/universo bem como obter toda abundância na sua vida.

sábado, 1 de abril de 2017

Olhos captam e a mente vê


Olhos captam a imagem mas é a nossa mente que a vê.

Tudo que captamos no nosso dia-à-dia fazemo-lo através dos nosso olhos é processado pela nossa mente que faz o julgamento. Por este motivo, na realidade o que vê é a mente e não os olhos.

A mente construimos ao longo do nosso crescimento vai na realidade definir toda nossa percepção do que é o nosso mundo. Neste sentido, toda nossa avaliação do que está a nossa volta, não obstante ao caos que possa existir, depende tudo da sua mente.

A nossa mente na realidade é a nossa percepção de tudo que vê e como vê. Os olhos são tão somente uma simples ferramenta de captação da Luz, sendo a mente o grande responsável pela classificação e julgamento de tudo que é captado.

Diariamente captamos no nosso mundo coisas que muitas vezes não compreendemos e vemos o que a nossa mente desenvolveu. A ignorância cria medo para tudo que é desconhecido, fazendo-nos ter um julgamento errado do que observamos.
O crescimento e o desenvolvimento mental e espiritual, permite-nos observar  em vários pontos de vista, permite-nos adquirir uma maior compressão do todo para entender o UM.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Enriquecer o outro



Enriquecer o outro é fazer o outro evoluir, crescer, brilhar de modo que este possa manifestar o melhor de si no mundo e no universo.

Enriquecer o outro passa pela partilha de ideias que possam fazer o outro crescer, elogios, críticas construtivas, ideias novas para obter sucesso.

Enriquecer ou outro é inspirar esta pessoa a ser melhor, a fazer melhor a tirar o que é melhor de si para partilhar com outros

Enriquecer o outro passa pela partilha da alegria de ver o outro crescer, de alcançar metas e vê-lo a construir.

Enriquecer o outro passa por tentar fazer esta pessoa luzidia, feliz, vibrante.

Jesus veio até nós para nos enriquecer, suas palavras não eram para fazermos a nós, mas sim aos outros.

Enriquecer o outro passa por partilhares o teu AMOR incondicional sem EGOS, com a compreensão de que altos e baixos representam nada mais do que aprendizado para evolução.

Enriquecer o outro contempla o tratamento carinhoso, respeito, admiração uns pelos outros daquilo que cada um representa no seu SER.

Enriquecer o outro implica ter também AMOR próprio e partilha-lo, pois é com ele se atinge as vibrações mais altas para elevar o espírito.

Enriquecer o outro significa dar a mão e acreditar que o lugar de vencedor não é para UM mas sim para TODOS.

Enriquecer o outro significa partilhar o melhor que está dentro de ti sem esperar receber e partilhar o melhor de dentro do outro sem sentir a necessidade de dar.

Dê ao universo melhor de si e tente potenciar que os outros façam o mesmo.
Amem

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Nada é "assim"


É comum ouvir expressões como "é assim" ou "as coisas são mesmo assim" entre outras variantes.
NADA É "ASSIM"!!!!!

Absolutamente nada na nossa vida é simplesmente "ASSIM". Esta expressão tende a conotar um pouco que a situação em causa é algo normal ou de alguma forma aceitável. Esta forma de pensar é uma crença que muitas vezes não permite a mudança e evolução.

Absolutamente tudo, mas TUDO que vivemos são consequências de escolha nossas como indivíduo e como sociedade. Aspectos culturais, crenças, comportamentos, conceitos morais etc, é tudo resultado desta massa crítica.

Em geral a maior parte das pessoas vive aquilo que socialmente encontrou dentro do extracto social onde se enquadra. Neste sentido, tudo que é aceitável naquela sociedade será encarado como "É ASSIM".

Existe também a expressão "O MUNDO É ASSIM", não, não é. "Nós" o fazemos tal qual como ele é.

Esta visão está implantada na maior parte da consciência terrestre o que nos torna seres complacentes com toda injustiça que identificamos. As revoluções por assim dizer são quebras nesta forma de pensar, mas infelizmente hoje este "instrumento" é utilizado também para obter controlo sobre as massas.

Podemos fazer também um paralelo do "é assim" com a nossa vida. Muitos aceitam certas condições ou situações de vida não porque esta é "é assim", mas sim porque na realidade ainda não têm consciência do controlo dela. De certo modo este conceito faz com que a pessoa não seja dona do seu "destino".

Lembre-se, se existe destino, pelo menos 50% é seu porque você é que faz a escolha.

Este modelo de pensamento na realidade retira o poder da sua vida, porque altera o centro para o exterior.

Tudo que nos acontece é da nossa inteira responsabilidade. 

Até mesmo a nível religioso, o ter FÉ implica sermos responsável de nós mesmos em consonância com Deus.

DEUS, UNIVERSO seja lá o que acredita, não trabalhar para NÓS mas sim CONNOSCO.

Para podermos atingir determinado nível de consciência e deste modo alterar o "é assim",é necessário ter noção do que é o desenvolvimento ou caminha espiritual da sua vida. Por outras palavras, é necessário que desenvolva cada vez mais o nível de OMNISCIÊNCIA DE SI E DOS OUTROS.

Génesis 1, 26 E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança;...

...é, significa que na nossa semelhança também temos que ter omnisciência. Elimine o "é assim", altere a consciência e essa por sua vez altera as suas vibrações que manifestam no universo. Esta elevação e alteração permitir também limpar o KARMA.

O KARMA na realidade é um FRACTAL.

O KARMA é um padrão espiritual que se repete vezes sem conta até que haja uma  mudança ou aprendizado. Porquê do Karma agora? Porque muita gente justifica o "é assim" com o Karma. Existe uma certa verdade nisso, mas está associado ao facto de ainda não ter aprendido ou alterado a consciência do que está a viver.

Nada "é assim". Tudo é o resultado que individualmente e em conjunto construimos a medida que evoluímos.

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Mulheres e Amizades


Tenho vindo a observar nesta minha curta vivência que as mulher em geral têm maior dificuldade em manter amizades. Hoje pretendo escrever um bocado a minha percepção sobre o assunto.

A mulher é um ser muito sensível, e esta sensibilidade dela faz com que muitas vezes, quando ainda não sabe fazer gestão emocional, projecte tudo o campo emocional. Isto tem impacto principalmente no trabalho, onde qualquer crítica no contexto do trabalho e levado como uma crítica pessoal.

A maior dificuldade das mulheres em manterem certas amizades é levarem muito facilmente coisas à peito. A complexidade destas relações, entre mulheres, advém também do facto de que a maior parte das mulheres têm um problema de auto-estima qualquer. Já viu aquela mulher que vocês acha linda, e se apaixona? Pois, provavelmente ela se acha feia.

Existe na mulher um sentimento de não ser suficiente, uma auto-estima interna que é sempre abalada em comunicação verbal.

Se reparem, muitas mulheres dizem que preferem ter amizades do sexo oposto, isso porque evita vários problemas. Isso ocorre porque a vibração emocional do homem e da mulher são muito diferentes. Já com as mulheres esta vibração muitas vezes repelem. Quando as vibrações são muito semelhantes, esta relação de amizade está sempre cheio de, intrigas, discussões, que vão e volta ao longo do tempo.

Esta problemática ocorre muito nas relações de sogra e nora, entre outros parentescos conjugais.

A mulher é um ser que por natureza absorve tudo, ela facilmente se culpabiliza. Muitas vezes ela faz um almoço, e já vai adiantando o que pode estar mal. Isso é típico de falta de confiança. E esta falta de confiança afecta muito na sua comunicação.

Quando comunicamos com alguém, não são só palavras que viajam para outra pessoa, mas também é todo um conjunto de intenções e emoções que são depositadas no verbo. Quando recebemos o verbo, e não obstante existir tudo que carrega, existe do nosso lado, as nossas emoções, medos, humor entre outros factores que irão influenciar a recepção da mensagem, independentemente das intenções no envio do verbo. Ora, com todos estes processos, num ser sensível como a mulher, é comum que tenham uma maior ocorrência de mal entendidos, não ter gostado de um comentário, não ter gostado da cara etc etc.

As mulheres que têm mais auto-confiança, conservam melhoras a amizades em geral. Atenção que quando me refiro a auto-confiança não estou a retratar aquelas que aparentam ser muito confiantes, mas sim aquelas que estão de bem consigo mesma, independentemente do que eles representem.
Estas mulheres, mais confiantes por natureza, não são facilmente abaladas por mal entendidos, comentários, principalmente por micro expressões corporais.

sexta-feira, 3 de junho de 2016

Purga Emocional


Muitas vezes passamos por situações de grande carga emocional, situações que consomem as nossa energia de tal modo que acabamos por nos sentir esgotados. Situações que nos afastam do nosso centro, que nos retiram o nosso EU.


Quando esta carga emocional termina, quando estamos mais calmos, é que sentimos uma grande quebra no nosso corpo físico, mental, emocional e espiritual.

A purga emocional é a libertação de todas as emoções acumuladas no corpo físico, mental, emocional e espiritual, para recuperar o equilíbrio, o nosso centro.

O processo de purga emocional, é uma resposta ao acumulo picos de emoções sobre o corpo. Nesta fase, normalmente a pessoa sente uma grande necessidade de isolar e realizar actividades que potenciam a introspecção.

No processo de introspecção, a mete irá recordar momentos marcantes na vida, sendo eles bons ou maus para permitir a resolução destes pendentes. Muitas vezes estes pendentes não são resolvidos no plano físico, mas sim no plano espiritual por intermédio de sonhos.

Muita gente confunde a purga emocional com depressão, aliás, quase tudo hoje em dia associada a baixas emocionais se associa a depressão o que constitui um erro. A purga dá cansaço, suores frios, muitas lembranças vívidas, tristezas e alegrias, tudo ao mesmo tempo.

Não obstante este processo causar alguma dor, a purga é um processo de cura. É a limpeza do corpo e alma.

Para as pessoas que são tendencialmente apegadas, elas prendem estas emoções, que acabam por se manifestarem no corpo físico. As doenças psicossomáticas são resultado deste acumulado de emoções negativas. Assim sendo, a purga para libertar estas emoções serve precisamente para limparmos o nosso corpo e alma.
 

domingo, 24 de abril de 2016

Uma peça na vida de outro


Já pensou quantas vezes foi uma peça determinante na vida de outra pessoa? 

Quantas vezes esteve presente em situações importantes na vida daquelas pessoas mais próximas ou mesmo até de desconhecidas?

O dinamismo da vida é tão maravilhoso que nos torna marcos na vida de outra pessoa. Estes momentos muitas vezes anónimos na nossa consciência, digo anónimo,  porque muitas vezes estes feitos são realizados de forma completamente altruísta.

Retrato esse assunto porque com um pequeno gesto de um amigo meu, demonstrou a importância que tenho na sua vida e de sua família. Isso fez-me recordar que a dado momento a minha participação fez com que tivesse com a actual mulher.

Observando e retrocendendo, comecei a ver as diversas oportunidades trazidos ou levados por cada pessoa que interage connosco. 

Vejo muitas  coisas de meus amigos que foram resultado de alguma forma de uma peça posta por mim, tal como eu tenho muitas peças postas por outros amigos.

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Diferentes perspectivas de amar [Desenvolvimento]


A pedido de um leitor que leu o post Diferentes perspectivas de amar, onde expresso duas perspectivas de amar, foi-me pedido que desenvolvesse mais o assunto.

Quando referimos às diferentes perspectivas e amar, no primeiro caso  referia-me a aquele que AMA tendo dentro de si todo AMOR que pretende partilhar. Esta perspectiva de AMAR está muito relacionado com a capacidade de AMAR de forma incondicional. Este é um AMOR que é partilhado e de modo algum necessariamente cobrado. Esta perspectiva de amor, é muitas vezes altruísta, é sincera, independente e vem de dentro para fazer.

O AMAR de dentro para fora, não depende de nenhuma recompensa. Este amor estabelece por si só que a pessoa que o carrega é por natureza FELIZ, ESTÁVEL LIVRE. Estas pessoas tendem a vibrar o AMOR ao seu redor, tornando-as muitas vezes vítimas de vampirismo energético, quando não estão preparadas, principalmente quando estão envolvidas com pessoas sedentas por AMOR. Estas relações podem ser perigosas porque pode tornar uma pessoa dependente em receber AMOR e outra refém em dar AMOR.

Esta perspectiva de AMAR é muitas vezes desapegada, não obstante quando correspondido existir uma grande entrega. Também permite muitas vezes reconciliar mais facilmente o sentimento de perda quando há uma separação, porque embora se sinta a tristeza na separação, o AMOR se mantém dentro. Aqui o conceito é partilhar AMOR.

A segunda perspectiva, é mais dependente. Não é necessariamente o AMOR, mas sim um necessidade, um factor de sobrevivência, O SENTIR-SE AMADO/A. Neste caso, esta perspectiva está sempre à espera por carinho e atenção, não obstante por mais que se dê o/a faça sentir seguro/a.

A questão desta perspectiva é que ela está largamente associada à auto-estima. É um AMOR dependente de prémio. Aliás, muitas são as pessoas que usam na realidade o seu AMOR como moeda de troca, nos casos em que ambos têm exactamente a mesma dependência.

Quando um casal partilha esta dependência amorosa, é comum tornarem-se excessivamente possessivos. Esta possessão advém do facto de que cada membro pretende encher o seu coração com o AMOR do outro. O coração destas pessoas tem pouco AMOR para o seu próprio sustento, estando sempre dependentes de outros. Tipicamente a sua auto-estima é baixa, o que por si só fará ter uma projecção pouco confiante de tudo o que sente, pois mentalmente na sua realidade, sentirá sempre refém do medo da perda.

As pessoas desta perspectiva muitas vezes tornam-se vampiras, sugando a energia de outras pessoas, tal é a sede de se sentirem amadas. Este vampirismo muitas vezes não é consciente, nem é feito por maldade, mas sim consequência de uma necessidade energética, que é resultante da forma de pensamento e dependência emocional.

Qual é a sua perspectiva de AMAR?

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Coragem de ser feliz


Quantas foram as vezes que precisamos fazer uma escolha baseado em sentimentos contrastantes?

Quantas foram as vezes que esta escolha envolvia sacrificar algo que queremos, sacrificar por orgulho, mágoa, dor, e até mesmo medo?

Quantas vezes consegui de facto perdoar para ser feliz e quantas vezes ser você mesmo fará o outro infeliz?

No nosso mundo dual, infelizmente a felicidade de um muitas vezes é a tristeza de outro. Isso muitas vezes torna as nossas escolhas difíceis, principalmente no campo amoroso. A mágoa por/a nós infligida é tão grande que mesmo que se tente perdoar, a memória não consegue apagar o sentimento. Neste momento tudo irá depender muito da polaridade do ser vivente.  Ou se deixa levar pela dor ou o seu AMOR é tão grande que consegue abafar qualquer dor.

A coragem para ser feliz passa muitas vezes por ultrapassar tabus, conceitos e preconceitos, modelos pré-determinados do que é viver. Muitas vezes fará uns chorar e outros sorrir, outras somente nós iremos sorrir.

A coragem de mandar tudo par o alto e correr para sua felicidade não uma uma coragem qualquer, principalmente quando se sente e se sabe o que quer. Mas será a escolha certa?

O que é a escolha certa?

Eu considero a escolha certa aquela no nos faz feliz. A questão que se põe é qual é o nível de felicidade que necessita para ser feliz.

Pessoas há que necessitam de sentir o AMOR apaixonado,  outras simplesmente se conformam com o nível que conseguiram. Se indagar algumas pessoas à sua volta quanto lhe faz sentir feliz, ou seja, até que ponto esta pessoa se sente feliz consigo.

Deduzo que a maior parte dos casos terá sempre uma resposta mediana, irão dizer que estão felizes, mas irão sempre realçar que há algumas coisas que poderia melhorar para o fazer ainda mais feliz. Nesta equação está também o seu próprio nível de felicidade. Quão feliz você é? Quão feliz alguém lhe faz? Medida difícil não é?

Lembre algum momento em que foi muito feliz. Explore este momento e tente comparar com o AGORA. Agora, pergunto, se teria coragem de voltar aquele momento feliz. Com o quê, com quem, onde, precisaria de estar?

Por incrível que pareça é praticamente impossível reproduzir certos momento. Mesmo que tenhamos todas  as variáveis aproximadamente iguais, existe algo que está diferente. Nós.

Nós estamos diferentes, a vivência, experiência, muda drasticamente a nossa percepção de tudo que já "fora" vivido no presente.

Muitas vezes o sopro da vida nos leva aquela coragem, aquele espírito aventureiro, romantismo, paixão, amor...felicidade. As vezes o nosso cérebro é o nosso maior inimigo, porque nos impõe regras, medos, lógica, quando a felicidade e o amor não é nada disso. O Amor simplesmente É.

Já pensou que se tivesse tido coragem de fazer aquela chamada, pedir para conversar, se tivesse tomado a "tal" decisão, muita coisa estaria mudada no seu presente. Será que seria mais feliz? Dá que pensar não é?

Vá, tenha coragem, tente ser FELIZ.

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Os libertadores e defensores da liberdade...mais uma vez


Mais um vez vemos os "libertadores" que não deixam os outros fazerem a sua escolha. Desta vez Na Argentina. O que acho incrível, é que estes abordam um conceito de liberdade que me assusta. São tão perigosos como aqueles que combatem o homossexualismo.

Estes são os falsos libertadores, grupos pagos por aqueles que controlam o mundo para permitir aprisionar os menos despertos. O objectivo não é a luta dos direitos humanos, mas sim, dividir, e quanto mais dividir melhor.

Reparemos. Tem havido uma série de mortes "acidentais" entre polícias brancos e "bandidos" negros. Normalmente para qualquer caso, sempre que há um destes acidentes, a tendência é diminuir a acção da policia, e tentar aliviar mais ou menos a pressão de modo a não criar atrito. Se repararmos aconteceu precisamente o contrário, sempre a aumentar, como se alguém quisesse aquecer a panela.  E queriam.

Estes grupos não têm nenhum objectivo associado à liberdade de ninguém, eles estão criados para destabilizar determinados países. São grupos patrocinados, por empresas, governos, entre outras pessoas com outras agendas. 

Actualmente a mulher tem os mesmos "direitos" que os homens, e celebra-se esta data porque foi patrocinado pelo governo Americano, especificamente pela CIA a criação de um grupo feminista, que foi para as ruas exigindo mais direitos para as mulheres. Pintaram os homens como sendo maus e daí prosseguiram a sua agenda. O que muitas mulheres não sabem é que elas que o estilo de vida delas hoje é resultado da necessidade que o estado americano tinha de aumentar os rendimentos dos impostos com os trabalhadores

Isso chama-se ENGENHARIA SOCIAL. Se tem dúvida, vá investigar.

A subversão é técnica em que uma ideia que até faz todo sentido é utilizada para atingir outros fins por manipulação. Umas das primeiras sub-versões na mulher foi fazê-la beber e fumar, foi algo patrocinado pelas empresas de tabaco e de bebidas. Isso foi programado nas mulheres como sendo moderno, utilizando filmes onde mostrava mulheres sensuais a fumar e elas eram desejadas pelos homens. TODA MULHER QUER SE SENTIR DESEJADA PELOS HOMENS, ELAS ESTÃO ASSIM PROGRAMADAS.


A ira destas bestas contra as pessoas religiosas, pode ser justificada pela opressão feita pela igreja no passado? Podemos mesmo justificar um erro com outro?

Ninguém é libertador quando não respeita liberdade do outro.

Defender e proteger a mulher? Sim, definitivamente. Para tal só precisamos de AMOR INCONDICIONAL. E não de pessoas desequilibradas com seu próprio EGO que agora pretendem determinar o que é liberdade ou não. Se não gosto, tenho que respeitar, porque o outro gosta.

Estes grupos tal como O Greenpeace que já teve o tempo que de facto possuía ideais, e agora é basicamente um grupo pago para ir fazer confusão à concorrência de quem paga.

A organização dos direitos humanos só funciona para alguns humanos e não para outros, sim, existem uns que são mais humanos que outros. Ao ponto de a morte de 12 valer mais que a morte de 200 mil.

Como as pessoas, principalmente na Europa, têm uma facilidade em se chocarem com certas coisas, elas são facilmente manipulada. A TV faz também a sua participação na apresentação destes cenários como algo engraçado, ou até certo. A TV vende promiscuidade como sendo normal e de moda, vemos em filmes e novelas, cada vez mais. Tudo isso faz parte do plano de criar ordem através do caos.

Outra aldrabice é o Aquecimento Global, pelos motivos que são apresentados. Se alguém se lembra de biologia, se lembrará que as plantas por si só libertam CO2. Na realidade a abundância de CO2 aumenta drasticamente o desenvolvimento da agricultura. No entanto, foram pagas pessoas "cientistas" entre outros agentes de propaganda para falar de algo que é completamente normal, só para tirar dividendos.  

Anos antes da nossa existência a temperatura já foi ainda mais quente, sem a existência de carros. Ainda por cima a media não é parar com fábricas mas sim cobrar taxas, principalmente em países em vias de desenvolvimento.

Faz parte do ciclo da terra tudo isso, porque nesta fase estamos mais perto do Sol. No entanto, é escondida esta informação para criar cultos de jovens que mal se conseguem salvar, mal conseguem resolver os seus problemas de auto-estima, mas que querem salvar a Terra e Mundo.

Existe um inimigo entre nós e de que ninguém fala, estes financiam e subvertem tudo que terá a ver com algum sentido de moralidade, e se falarem serão rapidamente apagados, e o pior é que este se apresenta sempre como vítima.

domingo, 13 de setembro de 2015

Vampirismo Energético



Alguma vez já aconteceu após estar com alguém sentir a sua energia muito fraca? Já aconteceu que quando chega a um determinado espaço sentir a sua energia vital sair pelos pés? Sentir emoções negativas aparentemente sem motivo?

Todos nós temos energia, mas existem pessoas ou outros seres que não são capazes de produzir ou reciclar a sua própria energia. Logo, sugam a energia de outras. 

Existem também pessoas que para atingir determinados feitos energéticos, como manipulação, ganhos financeiros, manipulam e vampirizam a energia de um conjunto de pessoas. Um exemplo prático disto são muitas religiões espalhadas pelo mundo.

Muitas "pessoas" que aparecem à nossa frente, na realidade não realmente seres humanos. Elas projectam-se mentalmente como seres humanos, mas não o são. Dentro da cultura africana, esta afirmação que faço, principalmente dentro das hostes  dos grandes sábios esse é um facto conhecido.

O filme matrix, embora apresentado como uma ficção, é uma metáfora para o que acontece actualmente. Actualmente a maior forma de vampirismo energético é a TV. 

Como apresentado no filme, nós, seres Humanos, somo alimento energético para os "controladores do mundo actual". Como eles se alimentam de nós? Pela energia que produzimos, principalmente negativa e as que estão muito associadas a adrenalina.


Quais são as energias? Medo, drama, ódio, sexual, decepção, tudo que possa afectar a sua confiança no Amor e no SER Feliz. Por este motivo é que a nossa TV nos alimenta constantemente destes temas. Por isso proteja-se.

As pessoas que são vampiras, muitas delas não fazem conscientemente, mas boa parte são manipuladores. Estes normalmente têm uma grande necessidade de ter pessoas à sua volta, de modo a que possam alimentar-se da energia das pessoas. Muitas destas pessoas, tornam líderes de ceitas, religiões, organizadores de festas, trabalhos que lhes permita estar e manipular multidões.

O sexo também é uma forma de drenar a energia de outro

Muitas pessoas vampiras usam a nossa energia para limpar a delas, fazendo com nós fiquemos com a energia negativa dela. Outra forma de ocorrer vampirismo e a projecção de emoções sobre nós. Principalmente as pessoas que têm muita sensibilidade, são projectadas emoções baixas e que se não souber identificar que essas emoções na realidade não são suas, deixar que essa energia flua no seu corpo.

Existem também zonas na terra, construidas por estes SERES NÃO HUMANOS que são autênticos pontos de drenagem energética. Se a pessoa não estiver preparada, mal chegue aquele espaço, sentirá a sua energia a sair pelos pés.

Dependendo da sua energia, existem manipuladores que não conseguirão estar no mesmo espaço que vocês. Isso ocorre porque eles percebem que a energia da outra pessoa pode revelar o que eles disfarçam.

Há muito mais que se pode falar sobre esse tema, investigue e aprenda a proteger-se contra estes tipo de ataques.

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Viver de dentro para fora


No nosso quotidiano todos nós, almas manifestadas sobre este plano na 3ª dimensão nos vivemos condicionados pela percepções circundantes à nossa vida. Hoje vou falar um pouco do conceito errado que vivemos actualmente que é de fora para dentro. 


Toda a nossa vida é uma doutrina, seja ela educacional, cultural ou religiosa. O que se quero dizer que toda a vida sua vida está rodeada destas doutrinas quer queiras quer não. Uma delas é de que o externo determina a nossa vida. Um exemplo disso é que a maior parte de nós conhecemo-nos não do ponto de vida interno, mas sim porque o exterior praticamente nos vai dizendo o que somos. Muitas vezes, quando, na fase de crescimento e conhecimento, estamos a aprender ainda sobre nós próprio ( aprendizado eterno),  e confrontamos o que sentimos comparativamente ao que dizem e não nos encontramos.

O conhecer-nos com base no que exterior diz pode até ser bom para auto-estima, quando os comentários são positivos, mas mesmo os negativos podem criar uma falsa percepção de si mesmo. Esta percepção pode ter efeitos muito negativos na construção e desenvolvimento da pessoa, principalmente se ela se deixar subjugar por estes comentários. 

A repetição contínua de uma ideia num cérebro, programa a mente. Daí ser uma das técnicas base utilizadas em comícios, quando se quer fazer massas partilhar a mesma ideia. Como consequência, a mente da pessoa vai repetindo para ela mesmo vezes sem conta a mesma ideia. A produção destas ideias provocam a manifestação de energias à volta da pessoa, e esta energia é polarizada consoante o pensamento negativo ou positivo

O princípio de viver de dentro para fora é DESEJAR ser FELIZ, contrariamente do querer que os outros nos façam feliz. O objectivo é manifestar a felicidade de dentro para o exterior, o que provoca também uma atracção de mais energias positiva do UNIVERSO, e tornar um circuito fechado.

Quando uso a palavra desejar e não querer, faço-o porque é necessário distinguir ambas palavras. O desejar tem um carga emocional maior, e pressupõe ser algo que se sente no coração e que produz acção. Já pode não passar de nada mais do que um simples pensamento, que na realidade não faz grande diferença à pessoa.

Viver de dentro para fora, requer que se tenha AMOR, qualquer amor, mas principalmente o AMOR PRÓPRIO, porque quando tem este AMOR BASE, estará apto a partilhá-lo com o universo.

O resultado da projecção do AMOR  sobre o UNIVERSO, que basicamente é o viver de dentro para fora, transformará drasticamente tudo a sua volta. Trará pessoas que estiverem no mesmo nível de energia, tornará mais difícil acontecimentos negativos e projectará futuros mais risonhos.

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Navegar contra si mesmo

Quantas vezes durante a vossa vida navegaram contra si mesmo? O quero dizer com navegar contra si é, dizer não mesmo querendo dizer sim, dizer sim quando quer dizer não, recusar quando se quer aceitar entre outros.

Muita vezes na nossa vida, existem situações existem situações (experiências) que por mais que queiramos viver não a deixamos ocorrer. Aqui está a falar de emoções que por mais que gostasse de sentir, são suprimidas e mortas logo a partida. Muitas vezes estas escolhas têm tal impacto na nossa vida, que o medo das consequências nos faz navegar contra aquilo que é o que "talvez" queiramos. Digo "talvez", porque não sabemos se determinada experiência pode ser simplesmente uma mera fantasia.

Como imagem uso o símbolo do signo peixe, porque, para além de ser o meu signo retrata bem o que digo. Porque o peixe parece ter duas personalidades, uma que diz segue em frente e outro que está mesmo a frente a dizer fica parado :D. Já tiveram esta situação em que um lado quer e outro lado nosso nos tenta convencer a não querer?! É exactamente isso que chamo navegar contra si mesmo.


quinta-feira, 25 de junho de 2015

O futuro no presente


Existem situações na vida em que estamos presos na dor, e que não nos ajuda muitas vezes a estar em contacto com a nossa alma nem sabedoria.

Muita vezes pretende ter uma grande ideia, e não consegue ter criatividade para tal. As vezes, tem uma dúvida sobre a decisão certa a tomar, muitas vezes está deprimido/a por alguma circunstância da vida. Uma forma de ajudar a resolver é manipular o tempo.

O manipular o tempo no sentido de aceder ao futuro da situação e traze-lo para o presente. Essa técnica é particularmente interessante quando tem deadlines, e existe algum obstáculo que ainda não conseguiu ultrapassar. Assuma que até a deadline estará tudo pronto. Diga a si mesmo que já conseguiu ultrapassar o obstáculo, que só precisa lembrar.

Nos casos de tristeza consciencialize de que essa dor terá que passar, tente trazer para o presente o futuro aonde se sentirá bem.

O objectivo é canalizar a energia positiva do futuro para alterar o presente. Sinta-se no futuro feliz e traga isso para o presente.

Poderá interessar também..

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...