quinta-feira, 17 de Abril de 2014

Combatemos o racismo?


Após ver alguns filmes, que retratam a escravatura negra, como "Django", "12 anos escravo", pergunto-me se de facto estamos a "combater" o racismo.

A minha opinião é que este tipo de filme já não fazem sentido de ser. Muitos podem advogar que serve para lembrar da crueldade da escravidão, mas eu defendo que não.

Este tipo de filme só serve para incitar ódio nos negros em relação aos brancos. Quer queiram quer não, é preciso lembrar que muito embora um filme possa ser uma obra de ficção, onde os factos são muitas vezes diminuídos ou exagerados, o telespectador carregará emocionalmente como se de uma coisa real se tratasse. Noutra visão, também serve de lembrança dos negros que foram escravos e para envergonhar o branco.

Há uma parte da história que não é contada, que muitas pessoas não têm noção, até mesmo os brancos. Antes de existir a escravatura dos negros, melhor dizendo, antes de existir a escravatura dos não brancos, já os brancos eram escravos.  Sim, porque a estrutura de reinado existente iniciou com base na escravatura.

De facto, a escravatura negra ganha preponderância por causa da logística associada, com o comércio triangular. Mas não obstante a isso, acho que este tipo de filme já não devia ser feito. 

Também defendo esta opinião porque estes filmes usam a técnica de preparar o espectador para aceitação da violência desmedida. Se repararem, estes filmes apresentam cenas de de pura maldade de uma parte, para que mais tarde a outra parte possa praticar maldade, mas já com o consentimento do espectador. Criando aquela sensação de justiça e vingança justificada. Observei isso no filme Django, e confesso que não gostei.

É preciso lembrarmos que sem o apoio dos brancos não existiria a liberdade dos negros e outros, pois eles também enfileiram na luta pela liberdade dos povos.

Acredito que a luta também passa por reconciliar, pois nenhuma relação sobrevive se se mantiver a lembrança das coisas negativas infligidas um ao outro, principalmente de forma gráfica.

Quanto o conceito de racismo, sendo supostamente uma sociedade democrata, acho que qualquer um tem esse direito de pensamento, desde de que a sua ideia não o subjugue ou prejudique o outro. Até porque, hipocrisia à parte, todos nós temos qualquer tipo de preconceito.

segunda-feira, 31 de Março de 2014

Momentos


Há momentos na nossa vida que vivemos de forma tão intensa, livres e felizes que nos faz sentir que o presente não nos agrada. As vezes, há vivências tão loucas que nos faz desejar não sair das mesmas. 

O crescimento, o aumento da responsabilidade da vida, nos faz muitas vezes cair em situações as quais, de certa forma, removem a nossa felicidade. Nos faz seguir padrões sociais que nos afastam daquilo que realmente nos faz livres e felizes. Por cada ano de vida, é necessário nos reinventarmos para que possamos criar outros momentos da nossa vida de forma aumentar a vivência, e  as experiências boas.

Quando não somos capazes de recriar momentos novos na vida, a nossa felicidade tende a ficar presa no passado. Fazendo com que o presente se torne enfadonho, triste, aborrecido e muitas vezes infeliz. Este tipo de sentimento é particularmente perigoso nas relações à 2, porque provoca muitas vezes a percepção de que é o cônjuge o motivo da infelicidade.

Se paramos para reflectir um pouco, poderemos analisar que na nossa vida faz falta viver momentos intensos. Faz falta a paixão, o apaixonar, o namorar, o amar. Os casais que conseguem transportar isso  para o casamento, conseguem manter a criação de novos momentos, o que é muito bom, caso contrário a relação cai na monotonia.

A liberdade é das coisas que mais se sente falta, a forma livre como se movia, decidia, permitia naturalmente uma melhor expansão das emoções, da alegria, a despreocupação e até mesmo a irresponsabilidade.

Naturalmente que este tipo de sentimento, esta falta, está directamente relacionada com a forma de ser de cada um, a necessidade de vida de cada indivíduo. Pessoas há que não necessitam de tanta excitação em suas vidas, pelo que, ao contrário dos outros, a "monotonia" é considerada uma base segura e uma zona de conforto. Outras há, que a necessidade de excitação é tão grande, que acabam desequilibradas e acabam por não conseguir construir a própria vida.

Isso tudo faz muitas vezes questionar, porque motivo abdicamos da nossa liberdade? Se conseguir responder a esta pergunta com um sorriso nos lábios, significa então que está feliz, se não sabe, significa que ainda não percebeu o seu presente, e se responde com tristeza significa que sente que não detém o controlo para mudar o seu presente.

Na realidade o que precisa é criar novos momentos, novas vivências, para que se possa libertar do passado e aceitar melhor o presente, e assim construir um futuro, seja lá o que isso possa significar.

quinta-feira, 20 de Março de 2014

AMOR


As vezes, só queremos uma voz que nos massaje os ouvidos, para que o peito tenha uma maior abertura para um batimento cardíaco mais forte.

As vezes, o silêncio pode ser tão barulhento, que nos faz sentir acompanhados de tão só que nos sentimos.

As vezes, só um abraço especial nos preenche, nos aquece, nos faz feliz.

Mas em todas essas vezes o AMOR faz falta.

domingo, 2 de Março de 2014

O Adulto = A Criança



O Adulto de hoje é amplamente resultado da criança que foi. Muito embora se tente descontar deste facto, a verdade é que o que vivemos na nossa infância, vai afectar parte da nossa vida adulta.

Muitas pessoas adultas, não se reconciliaram com a sua criança, carregando mágoas de infância para o resto da vida. Estas mágoas, medos e traumas, muitas vezes residem dentro do subconsciente e manifesta-se na personalidade e atitude perante à vida da pessoa.

É comum observar que as raparigas que vêm de um casal onde falta a presença masculina, tendem a ser muito submissas aos rapazes, muitas vezes até sendo consideradas fáceis, por estes. No caso do rapaz a falta da mãe também o pode fazer andar atrás de raparigas, no entanto, é uma amostra mais difícil de se perceber porque a nossa sociedade já o aceita como atitude normativa.

Dependendo muito do tipo de educação, a criança que cresce sem mãe pode sentir muito fragilizado perante a energia feminina. Isso também o torna susceptível a uma busca por afecto na parceira. Muitas vezes são possessivos, carentes, principalmente quando a falta da energia feminina advém da perda da mãe enquanto criança.

A perda dos pais em criança também tem um impacto muito grande, principalmente quando esta viveu com os pais. Esta perda pode desenvolver várias personalidades, dependendo de como a criança processa os acontecimentos.

Existem crianças que tendem a crescer com poucas ligações emocionais, são mais independentes, não criam raízes. Isso é uma forma de escudo para evitar mágoas associadas à perda. Vivem muitas vezes uma alegria disfarçada mas muitas vezes choram por se sentirem desamparadas.

Muitas crianças por não terem pais, vivem sempre com a sensação de  insegurança.

Crianças que sofrem abusos, tendem a tomar três vertentes, ou se tornam complemente contra e se fecham, ou deixam de ter qualquer respeito pelo próprio corpo e simplesmente se entregam aos lobos, ou tornam-se abusadores eles próprios.

A importância da criança crescer num lar com pai e mãe está amplamente relacionada com o próprio desenvolvimento da criança, principalmente a nível espiritual. Isso se deve ao facto de que, com o pai e mãe a criança aprenderá o equilíbrio de ambas energias.

Velhas rixas entre irmãos, ciúmes dos pais em relação aos irmãos, são emoções que se carrega ao longo de toda vida, se a dado momento não se reconciliar. As vezes, mesmo numa família tradicional com pai e mãe, existem crianças que por si só têm mais necessidade de atenção que outras. E quando esta atenção não é dada na quantidade esperada, desenvolvem ciúmes.

Crianças que possuem grande necessidade de atenção, podem ser crianças que  têm baixa auto-estima, ou aquelas que têm mania da grandeza. Muitas vezes a causa está na forma como os pais tratam, mas muito está intrínseco na própria personalidade da criança.

A importância de reconciliar com a nossa criança está no facto de ela trazer ao adulto a parte mais alegre e criativa. A não reconciliação com esta, faz com que transporte muito das inseguranças de criança para a idade adulta.

domingo, 26 de Janeiro de 2014

Falsos, Libertadores, Democratas e Protectores


Feliz 2014!

Os anos a partir de 2012 têm sido reveladores. Muita informação tem vindo à superfície, muitas verdades, que estão a despertar o consciente das pessoas.

De alguns anos para cá, tem estado na moda, grupos que lutam pelos direitos humanos, ou de outra coisa qualquer. Grupos que querem a democracia, outros que querem proteger as formigas..... o que for. Observando os grupos como os "pussy riot", que as acho um nojo, e principalmente observando as suas atitudes compactuadas com as televisões ocidentais, vem demonstrar a queda que esta sociedade está a sofrer a nível de moral até mesmo aos seus conceitos de liberdade e democracia.

A maior parte destes grupos são subversivos. Atenção que a definição de subversão não está associada a, como erradamente ocorre nos filmes, em detonar, destruir etc. Subverter nada mais é que transformar algo numa outra coisa contrária qualquer, não interessa se é bom ou mau. Exemplo disso foi o que vamos vendo na TV políticos, que atestam pretender salvar pessoas, matando mais, em prol da dita "democracia".

É preciso ter muito cuidado com estes Libertadores, Democratas e Protectores pois são tão ou mais ditadores que aqueles a quem muitas vezes acusam. Vejamos, quando o grupo "pussy riot" foi para igrejas vandalizar e em consequência disso foram presas, todas TVs ocidentais, por  não gostarem da Rússia, criticaram pois era um "atentado" à liberdade. Faz-me espécie verificar que a sociedade ocidental está cada vez mais subvertida, e cada vez perde os seu valores. O pior é que se consideram modernos. Verdade seja dita, se o mesmo ocorresse em algum pais europeu, elas a mesma seriam presas. 

É preciso tomar muito cuidado, pois a atitude dela mostra extremismo. Reparemos, ao contrário do que prega principalmente países como EUA, não é correcto que pelo facto, por exemplo, de alguém ser racista eu faça qualquer tipo de descriminação a esta pessoa. Porque neste caso estou a incorrer exactamente na mesma linha de pensamento que ela. Atenção, muito embora não concorde com o racismo, é direito de cada um poder ser racista. Desde de que, a sua forma de pensar não implique acções contra a liberdade daquele de quem se tem o preconceito. Resumindo, se não gosta do outro, cada um no seu canto.

Seguindo a mesma linha de pensamento, não é aceitável que essas "putas" vão destruir uma igreja, só  porque elas não acreditam. Até porque, se reparem, o nome que as chamei anteriormente está muito ligada a raiva que me dá de ver estes falsos profetas, que acusam a igrejas de enganar as pessoas quando elas próprias fazem o mesmo.

Não sou religioso, no entanto, outras pessoas são. Logo, é preciso respeitar a escolha dos outros, não obstante da sua preferência ou não. É necessário perceber que cada alma está cá para aprender. Consequentemente, cada SER, individualmente, terá que passar pela sua experiência para atingir um nível mais alto na vida. Quem são estas "bestas" para interferir?

Pois digo quem são. Boa parte destes grupos, ONG entre outros são financiados por empresas e governos que têm interesses. O Green Peace foi preso.....BEM FEITO!!! Porque muito embora muitos que estão dentro destes grupos estão realmente pela causa,  os motivos que os movem estão subvertidos a uma agenda política e batalhas económicas. Daí se ver nos jornais, a mesma coisa num pais tem um nome e noutro outro.

Outro exemplo foi o movimento feminista, que foi patrocinado pela CIA de modo a trazer as mulheres para o mercado de trabalho e assim aumentar a colecta de impostos do estado.

A Democracia é um conceito falso do poder popular, criado para dar a sensação de escolha. Mas se observarem actualmente, com esta crise, que escolhem têm? Mais uma vez falsas profecias. Alguém pode imaginar que vota para alguém que quando reclama desce o pau a pessoa que votou? ACORDA!!!!

Muitos destes grupos são criados unicamente para servirem de fachada. Que democracia é essa a qual polícias disfarçados estão infiltrados entre manifestantes, os chamados agentes provocadores, que criam distúrbios para criar uma justificação para a polícia intervir? Num estado realmente democrático isso nunca deveria existir pois isso é manipulação. E a TV é a ferramenta explorada por estes para moldar a percepção de realidade das pessoas. No entanto, estes falsos protectores têm o desplante de se pronunciarem contra outros países cujo actos contra os manifestantes estão ao mesmo nível que o deles.

Resumindo, todo aquele que destrói algo porque não gosta ou acredita, está a destruir a liberdade do outro que gosta e acredita. Este por si só é um DITADOR e EXTREMISTA. Você se não gosta de tomate não vai destruir todo tomate do mundo, não é?

sábado, 9 de Novembro de 2013

A Man Fear


A Man should only fear it self, 

for not being able to evolve his inner soul,

for not being able to live with his inner feeling,

for not being able to express his inner love to the loved ones,

for not being able to receive love from the loved ones,

for not being able to avoid violence,

for not being able to be a better soul driving the current body in current reincarnation.

sexta-feira, 8 de Novembro de 2013

Por onde escorrem as lágrimas

Por onde escorrem as lágrimas
de alegria,
também escorrem as de tristeza.

Por onde escorrem as lágrimas 
em criança,
também escorrem em adulto.

Por onde escorrem as lágrimas 
de escassez,
também escorrem de abundância.

Por onde escorrem as lágrimas 
de dor,
também escorrem de amor.

O denominador comum é o rosto
de quem vive cada 
emoção e lacrimeja
com o sentido do que é viver.

quarta-feira, 30 de Outubro de 2013

Saudades de Nós


Quando estiver contigo
quero um abraço apertado.
Quero sentir o bater do teu coração no meu peito.
Quero-te entre meus braços 
para que possa sentir 
a vibração do teu corpo,
da tua energia,
do teu amor.


terça-feira, 22 de Outubro de 2013

História, cultura e personalidade


Hoje em dia, a cultura ocidental sobrepõe sobre as outras culturas,
o que faz com a realidade muitas vezes vividas por estas seja de alguma forma herdada nas outras culturas.

Com o advento do colonialismo muitas culturas foram destruídas, usos e constumes, e outras foram copiadas. Especificamente falando, quero referir-me a forma de encarar a Mulher. Ao contrário da história ocidental, os paises do sul, antes de serem colonizados, com preponderância em África e América sempre foram divididos entre sociedades matriacal ou patriacal. Dada a imensidão de culturas, nem todas as sociedades tratavam a mulher como na sociedade ocidental tratava. Aliás, ainda hoje se consegue presenciar alguns usos e costumes relacionados com esta cultura.

O maior problema que os países colonizados têm é exactamente a perda da sua cultura, principalmente os países africanos, pelo facto terem dificuldade de partilhar informação. A forma natural de partilha em África sempre foi de boca à boca (não é beijo:D). Acredita-se que não havia escrita. Digo acredita-se pois não se consegue saber dado que ouve uma grande destruição por parte do colonizador bem como dos próprios africanos.

Com o colonialismo os conceitos de tratamento da mulher mudaram, principalmente trazidos pelos Cristãos, que inferiorizavam a mulher como SER. Parte deste "desprezo" vinha não pelo facto de ela possuir algum tipo de problema, mas sim pelo facto de possuir algo que atrai todo homem VAGINA. Por este motivo, várias religiões, inclusive até ao dia de hoje, tentam sempre submeter a mulher ao homem.

Isso leva a fazer uma pequena análise ao Islão. De certa forma os países que por lei obrigam as mulheres a cobrirem o corpo todo, o cabelo, não é bem uma questão religiosa. Retirando a minha opinião pessoal sobre o assunto, o objectivo claro de controlo sobre a mulher, é exactamente para evitar um dos grandes motivos de lutas e disputas, a Mulher do outro. De facto, no Islão, existe uma grande (até mesmo excessiva, dependendo da região) protecção em relação as mulheres. Ao contrário do que se prega, o maltratar uma mulher por parte de um homem é punido com grande castigo. Não obstante a isso não há nada perfeito.

Algo que vivi, e observei foi que os muçulmanos tendem a proteger muito a suas mulheres, querendo-as puras. No entanto, muitos destes quando estão num ambiente ocidental, tendem a tratar as raparigas ocidentais quase como prostitutas. Trantando-as mesmo como lixo. Isso de certa forma revoltou-me, mas percebia muito bem o motivo pelo qual isso acontecia.

Tudo isso tem a ver com a coesão familiar, em geral quanto mais próxima da família, e quanto mais valores familiares uma cultura tiver, maior auto-estima terá os seus membros. No ocidente estes valores foram praticamente usurpados para um conceito de liberdade fictício.

Muito embora muita gente não saiba, o movimento feminista que ocorreu nos anos 70 foi organizado e patrocinado pela CIA. Objectivo subversivo era permitir ter a mão de obra feminina na indústria. Com tudo isso também iniciou a alteração da forma como a mulher olha para si mesma, definido por homens que usando actrizes passavam um conceito de mulher sexy, ousada, e adorada por todos os homens. Esse tipo de treino ocorre até hoje, onde séries e filmes cada vez criam a imagem de que a promiscuidade tanto da parte do homem como da mulher é algo bom e moderno.

Em culturas com um grau de ligação familiar muito forte esse tipo de influência é difícil de estabelecer. Com a saída da mulher do papel principal de educar os filhos, a educação desta feita passou para o exterior, as famílias têm pouco tempo para de estarem juntas. Quando refiro a mulher como educadora, não estou a retirar esta responsabilidade do pai, mas verdade seja dita, quem sempre educou os filhos, por estar presente em casa, sempre foi a mãe. Logo, as raparigas com uma boa estrutura familiar preservam-se muito mais, e são muito mais estáveis na sua relação com o lado masculino.

A questão relacionada com a história, tem a ver com desenvolvimento do país em si, e a sua mídia. A primeira forma de conquista de qualquer país é exactamente pela cultura. Neste sentido, a TV é um factor de extrema importância, para divulgação e propaganda

Um exemplo prático é o facto de que a maior parte dos nossos noticiários recebem notícias de agências noticiosas inglesas e francesas, logo o que eles disserem passa como verdade para qualquer um, mesmo que outras agências estejam a desmentir. E esta escolha está muito relacionada com as línguas mais populares que determinado país reconhece, neste caso inglês e francês.

Actualmente temos uma mentalidade que é réplica do colonizador, porque foi esta a cultura que se absorveu, logo, é a que nos identificamos, e temos os mesmos comportamentos descriminatórios que eles, exceptuado aqueles que são contra nós próprios.

sexta-feira, 18 de Outubro de 2013

Mulheres Fáceis?


Mulheres fáceis???

Este é um conceito que se ouve muitas vezes na recorrente disputa entre homens e mulheres. Para muitos homens, uma mulher que aceita namorar ou ter qualquer tipo de relação mais próxima com um parceiro  sem apresentar nenhum algum tipo de resistência ou manha, é considerada fácil.

Acho primeiro que quem pensa assim não é HOMEM é ainda miúdo ou garoto. Não existem mulheres fáceis, mas existem sim mulheres que têm diferentes perspectivas na abordagem a mesma problemática.

Existe mulheres que sabem o que querem, e que muitas vezes de alguma forma ela já tinha algum interesse na pessoa. Existem também aquelas que preferem algo como "amor mágico", amam-se e desaparecem, outras que gostam da aventura, muitas que facilmente se iludem, entre outras diversidades

Tive oportunidade de viajar por diferentes países e observar a diferença na gestão da mulher quando o homem a aborda. E isso está muito relacionado com a auto-confiança que a mulher tem e a cultura. A mulher por natureza é insegura, é esta insegurança que a torna muitas vezes indecisa e por consequência, pare ser mais ou menos difícil. 

A real dificuldade na conquista está exclusivamente  associada ao pouco ou mesmo falta de interesse. Porque de resto é só um jogo para apimentar e atiçar a fera. Este jogo é importante, mas não é garantia de nada. Porque não serve de indicador do tempo de que esta relação durará. Muito menos serve de indicador se ambos ser darão bem. Logo, o único sentido que faz a dificultar é somente para jogar com a ansiedade.

Na minha opinião quando um homem está na presença de uma mulher que o aceita sem excitações talvez é um claro sinal que esta pessoa já estava de alguma forma interessada. Logo, deve ser tratada com tanto ou mais carinho como qualquer outra.

Muitos homens preferem perseguir mulheres que os desprezam em vez de olharem para aquelas que os amam. Muitos são capazes de andar atrás de uma donzela meses e até anos. Muitas raparigas interpretam isso como sendo amor. Mas na realidade, pode ou não ser. Porque ser forem ver, quando tem que terminar, termina como qualquer outro relacionamento em que ambos aceitaram no mesmo dia. Muitas vezes aquele namoros selvagens duram mais precisamente pela componente aventureira.

Isso não é ciência, é AMOR, e AMAR precisa é de SABEDORIA.

Eu particularmente, não acredito no amor à primeira vista, porque se alguém ama outra pessoa sem a conhecer, não ama esta pessoa, mas sim ama a pessoa que ele/a imagina que essa outra pessoa é. Humm....tanta pessoa numa frase, qual será o total?

Para mim, paixão e amor só aparecem com a convivência, com a partilha, com a conversa.

A análise de mulheres fáceis também podemos entra no campo espiritual e psicológico. Muitas vezes pode estar directamente relacionada com a falta de energia masculina durante a infância, falta de pai, que torna-a um ser que necessita de ter a energia masculina para se sentir segura. 

Isso são preconceitos masculinos, toda mulher somente procura afecto e carinho, ser amada. Umas aceitam receber mais cedo, outras....mais tarde, e ainda outras....................vão se lixar, deixa de perder tempo.

sábado, 31 de Agosto de 2013

A Felicidade


A felicidade é constituída por momentos felizes.

A continuidade da felicidade
 não depende necessariamente
de momentos felizes contínuos,
mas sim das lembranças eternas
dos momentos felizes.

A felicidade não se constrói
na falta de dor ou do medo,
mas sim no equilíbrio do AMOR.

A felicidade na realidade não existe,
o que existe é o que você escolhe para ser feliz.

Ser feliz é uma escolha,
viver feliz é uma arte.

A felicidade é única,
é invariavelmente variável,
é intransmissível,
no entanto, partilhável.


SÊ FELIZ!

sexta-feira, 23 de Agosto de 2013

Entre o medo e o desejo

É recorrente estarmos em situações em que se deseja o fruto proibido. Este fruto pode ser proibido por diferentes motivos, não é o que está em causa, mas sim o que fazer quando se deseja, mas se sente medo do que se deseja.

Muitas vezes este medo está relacionado com sentimentos, bons ou maus, com a perpetuidade de uma ligação, entre outros motivos. O desejo as vezes é tão forte que magoa tanto, que se tenta fugir, fazendo jus ao velho ditado: 

- O que o olhos não vêm o coração não sente.

O problema é que a fuga até pode afastar os corpos, mas dificilmente os sentimentos. Nesta secção é tudo mais difícil, não existem fórmulas, de resolução. Muitas vezes, a opção é por uma dor menor, pois a situação de medo e desejo simultaneamente causa dor também. A questão é:

A questão é como sabemos o que causará menor dor? Dado que o até o amor tem a sua cota de dor?

A única coisa que é garantido, independentemente da opção tomada é o RISCO. O risco associado a cada escolha que fazemos, a cada passo que damos.

Muitas vezes o combater o medo e avançarmos nos permite desmistificar o desejo, tornando mais controlado, mais vulgar. Muitas vezes o avançar nos faz desejar ainda mais. E é esta última opção que normalmente se leva mais em conta quando se está com medo. A questão é: 

- E se eu desejar ainda mais?

Soluções para este dilema só depende da filosofia da vida de cada um. Para muitos mais vale nunca tentar, outros preferem avançar e viver o momento, outros vivem o momento e arrependem-se amargamente porque avançaram, outro arrependem-se por nunca ter avançado.

O QUE FARIA VOCÊ?

Agora pergunto será que Adão e Eva se arrependeram?

domingo, 11 de Agosto de 2013

Ponto de Inflexão


Matematicamente o ponto de inflexão corresponde ao ponto onde uma função muda o seu sinal ou sentido. Esta definição, sem o rigor matemático associado, serve de analogia para o que pretendo escrever.

Existem em quase todos nós um ponto de inflexão, um ponto onde alguma coisa faz a diferença entre, luz e sombra, bem ou mal, bom ou mau, ou qualquer outra dualidade. Muitas vezes certas acções das pessoas não medem consequências, ao ponto de se brincar com situações que para elas são triviais, mas que para outras são de extrema importância. 

Todo ser humano tem a sua complexidade, e também o tem o seu próprio complexo. Nas relacções humanas, existe muitas vezes descuido em se conhecer a pessoa com que se relacciona de modo a perceber os limites delas. E este descuido leva muitas vezes a pontos de inflexão em que algo que estava bem muda totalmente para o contrário.

Eu próprio tive este caso, que só anos mais tarde pude perceber. Não intencionalmente, mas por não perceber que estava a magoar alguém que gostava de mim, quando todos os sinais estavam presentes. No dia que apresentei uma amiga a esta pessoa, a amizade tornou-se inimizade. Mas só mais tarde percebi, que a colega estava apaixonada por mim.

A mesma analogia serve para muitos corações partidos por falsas esperanças, falsas expectativas, mentiras, humilhações, traumas que podem afectar a pessoa ao ponto de deixar maluco.

As pessoas que por natureza já não confiam noutras, quando pensam que conhecem alguém que finalmente podem confiar e são traídos, tornam ainda mais fechadas, muitas vezes desprovem elas mesmas de qualquer sentimento ou emoções associadas aos outros.  Essa é uma forma de protecção, para evitar outras decepções.

É recorrente essas situações depois de decepções amorosas, e nestes casos sofrem muito as mulheres que de alguma forma ostentam beleza extrema, pois são vítimas da sua própria beleza. Digo vítimas, porque muitas tendem a atrair certo tipo de homens que a vê como o corpo e não como a alma.

O ponto de inflexão também ocorre quando somos confrontados com situações que nos cria, revolta, irá, mágoa, desejo de vingança. Em que a decisão entre, lutar, bater, correr ou fazer de conta que nada se passou marcam o ponto de inflexão. As vezes, não fazer nada causa menos destruição do que tentar mudar um simples bater de asas de uma borboleta.

Ser Bom ou Mau, muita das vezes é um questão de uma pequena demonstração de amor, para salvar alguém, daquilo que poderia ser o seu precipício. Assim como as vezes um certa dureza pode ser ponto de salvação para um caminho melhor.

O ponto de inflexão corresponde na realidade à momentos chave na nossa vida que tomamos uma decisão, ou fazemos uma escolha que muda completamente o curso da  nossa vida. Essa mudança também pode vir de acções de 3º, mas é sempre a nossa escolha de como reagir a estas mudanças. É necessário sabedoria para saber decidir neste momento, pois, como ponto, o foco da energia é muito grande, e como consequência também a pressão. Para melhor decidir "Mantenha o rosto sereno no fogo do inferno".



domingo, 21 de Julho de 2013

Gestão de Palavras, Pesamentos e Energia


"...de volta :)"

Pretendo abordar sobre a gestão de palavras, pensamentos e energia, porque muita gente não tem noção de que o que fala, pensa influencia a produção da sua energia.

Todas palavras utilizadas por nós fazem parte de uma programação. Daí ser necessário também o treino na sua compreensão. As palavras têm força e têm vibração, logo, a sua verbalização pode causar influência no universo. Deste mesmo modo, os pensamentos têm força, e sendo a verbalização de palavras consequência de um pensamento, o pensamento é a base.

Somos energia, todos nós temos uma assinatura energética, fruto do nosso estado espiritual. A assinatura energética está relacionada com o SER base da pessoa, e isso pode ser alterado com base no percurso de alma.

A energia colocada numa frase por causa da ira do momento pode ter mais força do que se pensa, o mesmo se aplica no pensamento. Principalmente quando estes são produzidos a partir do chakra cardíaco. 

Existe uma diferença entre o querer e desejar, a diferença está que ao contrário do 1º o 2º tem uma envolvência maior do chakra cardíaco, enquanto o querer é mais mental. Gerir pensamentos tem a ver com a forma como se pensa em algo. É possível estar-se zangado sem que necessariamente afecte a sua energia de forma negativa, ou mesmo ter uma discussão sem sentir ira ou raiva.

Pronunciar palavras ou pensamentos produz energia, esta energia produzida desgasta a pessoa e pode também influenciar outra pessoa se esta for o alvo das palavras e pensamentos. 

As pessoas que têm explosões de raiva, muito ansiosas ou nervosas, tendem a desgastar-se muitas vezes por situações pois a sua resposta produz uma tensão energética de tal modo que satura a própria energia, e muitas vezes de quem está próximo.

Fazer a gestão de energia e pensamento é importante porque permite manter mais energia, o que melhora a saúde. Normalmente as pessoas que estão fora do equilíbrio tendem a ter uma energia envolvente muito turbulenta, e isso pode causar afastamento das pessoas.

A gestão passa muitas vezes por mudar a forma de olhar para situação. Lembre que nada tem realmente valor, a não ser o que cada indivíduo atribui. Logo, talvez certas coisas que ache que se deva preocupar não necessite da energia que desprende. Num post futuro falarei de como certas emoções afectam o nosso corpo físico negativamente.


quinta-feira, 28 de Março de 2013

Consciente de si


A maioria de nós tem determinado nível de consciência de si mesmo. Este nível é determinado pela compreensão que tem de todos os aspectos que referem com o seu EU. Pode parecer incrível, o nosso cérebro é programado, e principalmente para responder a determinados inputs.

O cérebro contém aspectos programados baseados no medo, que são activados com crescimento do SER com base no ambiente que está inserido. Muito destes aspectos não pertencem a nossa consciência mas sim ao ego.

Ter consciência de si é exactamente ter consciência de todos aspectos referentes com a sua energia, corpo  e alma. A falta de consciência leva que muitas vezes a pessoa cria monstros na sua vida que consequentemente afecta a percepção de que é vítima, não apercebendo-se que é criado destes problemas todos.

Ter consciência de si, implica saber e controlar a energia, principalmente aquela gerada pela sua forma de pensar. Tem que estar consciente que a realidade que vive é realidade  que criar, naturalmente o ambiente tem influência, mas ainda assim, quem cria é VOCÊ.

As pessoas em geral sabotam a si próprias, porque não obstante querem algo, ao contrário de focar os pensamentos a construção deste, por medo de não conseguir, por medo da desilusão, focam mais energia no medo. 

Ter consciência SI é perceber os padrões da sua vida, os ciclos e como eles o afectam e evoluem.

Muita gente, por exemplo, não reconhece quando está mau humorado, e muitas vezes tenta transformar pequenas coisas em algo maior para justificar a sua irritabilidade. Estar consciente é saber distinguir o que somos nós em toda sua plenitude.

Há pessoas que nunca estão satisfeitas numa relação e andam de parceiro em parceiro, mas sempre quando terminam dizem que querem ficar sozinhas. Muitas delas não percebem exactamente que na realidade, elas são dependentes de um parceiro/a.

Ser consciente de si, envolve introspecção, conhecer-se não do ponto de vista de exterior mas do interior. Ser responsável, não se vitimizar, perceber como varia a sua energia em terminadas situações, resumindo, viver passando pela vida como uma presença e não ver a vida a passar ou ser vivida, como se de outra pessoa se tratasse.



sexta-feira, 8 de Março de 2013

Na dor com alegria

Já algum tempo que não escrevo, não por falta de temas para partilhar mas por muita ocupação, para além de que a internet também não ajuda muito.


A musica que partilho ouvi vezes sem conta num momento que estava com o coração completamente partido.


Nesta fase a tristeza era tão grande que já me sentia alegre de tanta tristeza. Já me ria de mim mesmo por chorar como se fosse uma criança.


Esta música traz-me sentimentos dúbios, tristeza, pela situação passada, alegria, pelo aprendizado dentro da própria tristeza. Este texto não é de forma alguma um lamento, pelo contrário. Este texto é para aquele que neste momento se sente em baixo e que pensa que é o fim. Digo já, não é o fim, pelo contrário, é o INÍCIO.

Conheci esta música porque era parte do meu screensaver no meu novo portátil, que enquanto tocava filmava, e tinha o portatel bem na direcção da minha cama. Desta forma conseguia ver a minha cara de tristeza, com o coração em pedaços. Nesta fase, ficamos sem saber o que fazer, porque aquela pessoa, aquela pessoa, era o nosso dia-a-dia, ao acordar o plano era com aquela pessoa.  De facto, o dia após término a pergunta foi exactamente essa. O que vou fazer agora? Se estivesse com.... iria fazer .... e bla bla bla.

São ligações muitas vezes tão intensas que quando se quebram parece que foi arrancado parte de nós mesmo. Digo parece, porque é só um percepção, na realidade está tudo consigo até o amor que sentia. O que mudou é ficha onde faz a ligação deste amor.

Posso dizer com certezas, para vocês que está a passar por uma situação destas que, todo esse é um processo de evolução. As vezes é necessário compreender que as pessoas com que nos relacionamos não são necessariamente para ficarmos com elas completamente, mas sim com pedaços delas. Estes pedaços correspondem exactamente a experiência, partilha, aprendida com esta pessoa. Este aprendizado só ocorre muitas vezes, anos depois. Quando se atinge a compreensão mais elevada para perceber qual era realmente o cerne de tudo que se viveu.

Muito embora estivesse muito, mas muito triste, existia uma grande alegria em mim, pois nunca sentira algo assim, nunca tinha passado por tal dor que me fazia sentir HUMANO. Este sentimento fez-me pensar mais sobre a própria existência, no ponto de vista da consciência de si mesmo. Estava no fundo mas sempre com olhar fixo na luz no topo do poço.

Tive momento lindos, ao ponto de não conseguir respirar, não conseguia passar 5 minutos sem, falar no assunto, e desatar a chorar de novo, hahahaha. Cheguei ao ponto de RIR de tanto CHORAR. Só espera que  tudo passasse. E nestes casos, o tempo parece que é ainda mais lento hahahahaha.

Este medicamento era doloroso e amargo, mas tinha que passar por isso para chegar à cura. Foi o que disse a mim mesmo. Muitas vezes era necessário bater no peito para conseguir respirar. Mas em momento algum tive pensamentos destrutivos, nem revolta, nem rancor,mas sim,  Medo, sim , muito MEDO.

O MEDO era constante, do reencontro, misturado com a vontade do reencontro também. Ansiedade ao passar em certos lugares, de encontrar a pessoa, principalmente de encontrar a pessoa com outra pessoa. Nas possibilidade de novas relações, pairava sempre um pequeno sentimento de TRAIÇÃO.

Tudo isso faz parte do processo de recuperação, de construção de um NOVO EU. Na DOR, mas do que a DOR EM SI, aprendemos MAIS SOBRE NÓS. 

Hoje atingimos a compreensão do que o espírito queria necessariamente que cada um de nós aprendesse. 

SOFRI?! NÃO, APRENDI E CRESCI!
POR ISSO, NÃO SOFRA, APRENDA E CRESÇA

segunda-feira, 28 de Janeiro de 2013

Rápido balanço da vida


Rápido balanço da vida.É Maravilhosa!!!!

Quando paro para recordar de grandes momentos de tristeza e de alegria, e tudo que estes momentos ensinaram sobre mim mesmo, fico surpreso. Por cada fase da vida passo vivendo com alegria, até mesmo nos momentos mais tristes e marcantes. 

Tudo o universo me tem dado, posso dizer que sou feliz mesmo tendo momentos infelizes,  que por acaso não me lembro de nenhum realmente assim. A vida é uma experiência, boa ou má depende de quem a aprecia, e de quem a cozinha.


Mais ainda me surpreende a quantidade de pessoas interessantes que conheci, situações que vivi com elas, só posso descrever como INCRÍVEL. Bem, dado as situações que já vivi, posso dizer que DEUS me acompanha, mas sem empurrar.

Actualmente noutra fase da vida, e como sempre MERGULHAR E FLASH. Muita gente diz que tenho muitas histórias, mas acho melhor dizer que eu vivo várias, mas várias mesmo. Desde rir de tanto chorar (normalmente é o contrário), perder avião, ficar sem dinheiro algum no estrangeiro, aprender apanhar bebedeira, namorar, curtir, estudar, dormir nas aulas.... bem indescritível. Cada ano melhor que outro.

A minha mãe disse-me uma vez:

"Na vida temos que fazer de tudo um pouco"

E EU FAÇO, SEM EXCESSOS!!!! OBRIGADO.

Nada disso seria possível sem as pessoas que me rodeiam, e a cada dia conheço novas. A dinâmica da vida é impressionante quando somos capazes de apreciar tanto a DOR como o AMOR.

CADA MERGULHO É UM FLASH MESMO.

quarta-feira, 26 de Dezembro de 2012

Críticas


Normalmente preocupamos-nos com críticas com que criticamos os outros.

Mas muitas vezes a real importância da crítica só está na nossa crença.

sábado, 24 de Novembro de 2012

Em busca do que não temos


O ser Humano tende ir à busca o que não tem. Se a mão esquerda estiver cheia, ele olhará para a mão direita vazia, lamentando por esta estar vazia.

Na verdade, este é um programa que corre no nosso cérebro, e que muita gente não dá conta. Aliás é este programa que nos faz os consumidores e dependentes que somos hoje. A crescente necessidade de mais e mais e mais, mais, mais................ufa, torna-nos pessoas que não importando o que tem estará sempre a olhar para o que não tem.

Existem pessoas que constantemente reclamam da sua vida, que olham sempre para o quintal do vizinho achando que o dele é sempre melhor do que tem em sua própria casa. Estas pessoas nunca parecem estarem satisfeitas,  estão constantemente a correr atrás do que não têm.

Para ter mais, deve valorizar o que já tem, deve lembrar-se do que já conquistou.

A amor e paixão do caos e desordem


Existem relações que são basicamente caóticas, não pelo facto de existir necessariamente desacordos mas pela falta de suposto "padrão" de relacionamento.

Muitas vezes a paixão por alguém aparece precisamente por esta pessoa ser exactamente o nosso inverso. É comum, quando um dos membros do casal é muito estruturado, o outro é de pensamento livre e caótico. Muita gente não compreende, inclusive os próprios porque motivo esta ligação funciona e é tão forte.

O que acontece na realidade está tudo relacionado com emoções. O namorado ou namorada normal, a relação cresce baseado num modelo quase premeditado "quase boring", tudo calculado, pré-visível, e por aí se vai desenvolvento uma relação. Esta relação eventualmente cria habituação ou dependência, que muitas vezes é confundido com Amor.

Nos casos caóticos, a beleza está exactamente não saber como será amanhã, não há programa, e a montanha russa de emoções muitas vezes são extremas saindo das mais baixas para as mais altas em questões de minutos. Por incrível que pareça, muitas vezes quanto mais a cônjuge retirar o outro do sério, mais paixão este terá. Quanto mais o fizer extravasar, rir, correr, assustar mais colado fica. A estratégia de dualidade de emoções, leva a um conflito tanto de emoções como de lógica. Existem vários exemplos, como a dor e o prazer, o quente e frio, discussão e sexo,  todas e várias combinações de diferentes sinestesias, provocam um conflito tal que faz com que a pessoa fique literalmente apaixonada.

O facto de não saber como será o próximo encontro, provoca um ansiedade, e está muita vezes tornam-se numa dependência, pois vive-se uma relação com muitos estímulos. E esse hábito muitas vezes cria demasiada expectativa sobre o parceiro e quando não correspondida pode criar atritos e estragar relação.

A verdade é que as pessoas que são caóticas nos relacionamentos, normalmente proporcionam ao parceiro mais vida, aventuras, jogos, dramas e tragédias, retiram o outro da zona de conforto, expondo-o sobre vários tipos de emoções. E este sobe e desce de emoções faz com que poucas horas com essa pessoa parecem semanas, pois elas aumentam a experiência do que é viver, pois vivem de forma intensa.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...