terça-feira, 4 de agosto de 2009

Baixa auto-estima II


No texto anterior, retratei algumas das várias causas da baixa auto-estima. Um tema vasto por si só, é interminável as questões relacionadas baixa auto-estima e até mesmo os efeitos causados pela auto-estima.

Hoje retrato um pouco de alguns problemas sociais como, criminalidade, racismo entre outros.

Actualmente boa parte de sociedade possui uma baixa auto-estima. Muito desta baixa auto-estima tem haver com o modelo de vida e a forma como o ser humano olha para si mesmo como para outro. Actualmente vivemos numa sociedade em que o importa é o ter e não o ser. Onde o respeito pelo outro é baseado na capacidade de ostentação material e não tanto no carácter da pessoa.
Existem pelo menos 2 tipos de baixa auto-estima, aqueles que se subjugam e os que subjugam. Perceptível :P?! Bom, os que se subjugam acham-se notoriamente inferiores em relação aos outros, os que subjugam, podem separara e vários grupos, mas vou referir-me a 2 em principais, os que subjugam pela imposição da sua personalidade e ou característica física e os que o fazem pela ostentação ou materialismo.

Os que se subjugam sã0 boa parte da população mundial, o que vou dizer poderá causar alguma controvérsia, mas digo que os negros são dos primeiros a encaixar neste perfil. A base de sustento da minha afirmação tem haver na própria capacidade de se vitimizarem, acusando de acto de racismo. Mais complexo ainda tem haver com as situações sociais em que muitos nascem a criminalidade. Neste post falarei dos que se subjugam, para não tornar demasiado extenso e cansativo.

Uma das principais características da criminalidade nas cidades ou bairros designados de pobres ou problemáticos reside já por si só em ter a conotação de bairro problemático. Em geral, não uma exclusividade dos negros, mas tendo em conta o nível sócio-económico destas famílias, são todas acumuladas em determinadas zonas da cidade. Estas pessoas crescem já pensando que não podem ser nada mais para além do que o bairro é, aliás, quando muitos tentam, a conivência social dentro do bairro em si, os ditos "amigos" o vão empurrar e desacreditar em qualquer que seja a ideia inerente à saída daquele meio.

Olhemos com atenção, que, na população negra, mundialmente, tem a maior taxa de mãe solteiras, ou seja, o pai só serve para a concepção, e normalmente têm mais do que uma mulher, até porque o homem negro por natureza tem uma apetência a sexualidade muito promiscua, quando não educado. Ok, sejamos realistas, até mesmo os educados :D. Já a nascença, o facto de não ter uma figura masculina em casa, passa uma mensagem muitas vezes de abandono. Quando uma vez Barack Obama se referiu a maior responsabilidade da comunidade negra, era precisamente a este problema que se referia.

Não ignorando todos factores históricos e sociais associados a esta problemática, já é tempo de uma evolução. É necessário que o negro elimine a cor e encare a si mesmo como ser humano. Existe uma grande tendência em vitimizar principalmente se não consegue alcançar um cargo, assumindo que não o conseguiu por motivo raciais. Muito embora haja algum preconceito, este já não é um factor decisivo actualmente. Na realidade muitos usam a racismo como arma de arremesso para justificar, protegerem-se e até mesmo como motivo de chantagem.

Existe a necessidade de se assumir como Homem, pelo seu valor pessoal e não vitimizar ou até mesmo superiorizar, a palavra de ordem é consciencializar. Recordo bem que em Angola já ocorreu algumas vezes ouvir a expressão:

- "Tás armado em branco";

expressão essa que vem no decorrer de alguma atitude que fora corrigida por alguém e como resposta ou defesa é uma frase típica. Isso revela por si só que em muitos casos as pessoas negras assumem por elas mesmo que o branco é superior, ou pior ainda, é pensar que somente eles, os brancos têm a capacidade de fazer algo que seja correcto, reflectindo a baixa auto-estima como pessoa, assim como um grande falta de educação e consciencialização.

Algo que também me espantou foi um amigo que disse que não poderia namorar com mulher branca porque ela o poderia chamar de "preto" numa discussão. Isso revela uma total incapacidade de aceitar que esta mulher, independentemente da cor/raça gosta dele por ser homem e não pela sua cor ou raça. Isso também revela a incapacidade de olhar para si mesmo somente como uma pessoa.

Se como pessoa não sabe dizer o que vale, de nada vale dizer a que cor ou raça pertence.

7 comentários:

Catia Graça disse...

Realmente este tema é muito interessante.

Por vezes as pessoas com baixa auto-estima, nao conseguem ver para alem dos seus pensamentos negativos de si proprios, por isso nao conseguem parar e reflectir na sua situação em si, naquilo que é, ainda nao se compreende, nem se aceita.

Mas, julgo que todos poderiamos contribuir para que o outro se sentisse melhor e o sensibilizassemos a olhar para si de uma forma diferente, a gostar de si.

O que fazemos nós? Maioritariamente discriminamos, mesmo que inconscientemente.

Realmente a cor nao interessa nada, tudo esta relacionado com os climas dos paises.

Mas as pessoas nao sao capazes de olhar para dentro de si, esse é o grande desafio, e dele muitos têm medo, porque o que ouvem de fora nao é positivo e por isso acreditam nessas palavras.

Gostaria que pesquisassem na net por Declaração do Milénio e reflectissem sobre isso.

Foram construidos por diversos governantes alguns objectivos para acabar com as desigualdades. Sim o que vamos fazer depois de ler é apontar o dedo e dizer que nao cumpriram com os objectivos propostos, mas se pensarmos bem, nao é so a eles que cabe fazer algo, mas sobretudo a nós sociedade!

É preciso amar o outro e ajuda-lo a amar-se a si, mas quem hoje em dia se disponibiliza a amar o outro? Pois, talvez ainda nao se ama a si, e por isso menospreza o outro para se sentir bem, ou utiliza bens materiais para se evidenciar, mas ainda nao percebeu que talvez o que falta é ter a humildade e a capacidade de olhar para dentro de si e amar-se.

este é o grande desafio lançado ha seculos atrás.

*AMAR*

O homem e a mente disse...

A terceira parte deste tema refere exactamente aqueles que, por terem baixa auto-estima, tentam subjugar os outros, apoiando-se no materialismo. Quando maior a necessidade de poder menor é a segurança da pessoa em relação ao exterior ou ambiente que envolve.

Branco da porta ao lado disse...

Bravo, excelente post!

ParadoXos disse...

epa sinceramente até fico sem palavras com as coisas em que me fazes crescer... e aprender...


abraço, sem palavras!!

:-)

Iana disse...

Amigo

AFF!!! Que tema é esse hein?!
pena que o racismo é coisa que acontece frequentemente na nossa sociedade... Também sofri o preconceito, nossa já vivi isso na pele..:( " Mais foi por ser de outra nacionalidade" kkkk (ridículo isso)

Também passei pela fase da baixa auto-estima eu me via no espelho e fugia na minha imagem... uiii dias complicados e quem sofre mais isso são as mulheres... :)))

Gracinha beijinhos doces
da rosa amiga
Iana!!!

Anónimo disse...

Quanto vale uma pessoa?
Eu não sei quanto valho como também não sei a que cor ou a que raça pertenço.
Quanto vale uma pessoa que tenha raça? E a cor? Quanto vale?
Bale?!

O homem e a mente disse...

Iana não é uma questão de racismo, é questão de olhares para nós mesmo. Para mim ser racista é como gostar de tomate ou não. A questão é facto das pessoas terem o seu problema de auto-estima e para tudo reagem como racismo

Poderá interessar também..

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...